DOENÇAS AUTOIMUNES MAIS FREQUENTES

Existe um número muito grande de doenças autoimunes, vamos listar aqui apenas as mais freqüentes.

Convém lembrar que, muitas vezes, estas doenças não se manifestam com um quadro típico. São as chamadas formas frustras ou atenuadas e que, por isso, dificultam muito o diagnóstico.

Os sintomas iniciais para a maioria das doenças autoimunes são fadiga e intolerância ao calor.

• Anemia Hemolítica

A anemia hemolítica também tem sua forma autoimune, que ocorre quando o sistema imunológico identifica erroneamente seus próprios glóbulos vermelhos como corpos estranhos, desenvolvendo anticorpos que atacam as hemácias, destruindo-as muito prematuramente.

• Artrite Reumatoide

É uma das mais frequentes doenças autoimunes, onde o sistema imunológico ataca principalmente as articulações.

A Artrite Reumatoide caracteriza-se por dor, tumefacção, rigidez e perda de função (mobilidade) das articulações.

• Dermatite Herpetiforme

A dermatite herpetiforme, também conhecida como doença de Duhring ou dermatite herpetiforme celíaca, é uma doença auto-mune, que provoca a formação de pequenas bolhas na pele que coçam, semelhantes às lesões provocadas pelo herpes.

Embora esta doença possa aparecer em qualquer pessoa, é mais comum em quem sofre com doença celíaca, pois parece estar relacionada com a sensibilidade ao glúten.

• Diabetes Mellitus tipo 1

Diabetes mellitus tipo 1 é diagnosticado, geralmente, durante a infância ou a adolescência, quando o corpo deixa de produzir insulina e os níveis de glicose no sangue começam a subir.

No diabetes tipo 1, as células beta do pâncreas, responsáveis pela produção de insulina, são destruídas. Sem insulina, as células do organismo não conseguem captar a glicose do sangue e acabam ficando sem uma importante fonte de energia. Para compensar, o corpo começa a queimar gordura e músculo e a produzir mais glicose, fazendo com que a glicemia suba muito e parte dessa glicose acabe saindo pela urina.

• Doença Celíaca

Desordem sistêmica autoimune, desencadeada pela ingestão de glúten. É caracterizada pela inflamação crônica da mucosa do intestino delgado que pode resultar na atrofia das vilosidades intestinais, com consequente má absorção intestinal e suas manifestações clínicas.

• Doença de Addison

É também conhecida como insuficiência adrenal primária e insuficiência adrenocortical primária crônica. É uma endocrinopatia potencialmente fatal caracterizada pela produção insuficiente de hormônios esteroides pelas glândulas adrenais.

• Doença de Crohn

A doença de Crohn é uma inflamação crônica intestinal que afeta todo o sistema digestivo (da boca ao ânus), mas acomete especialmente o íleo terminal (parte inferior do intestino delgado) e o cólon. Também conhecida por Ileíte, enterite regional ou colite, dependendo qual região afeta.

Esta doença é invasiva, comprometendo todas as camadas da parede intestinal: mucosa, submucosa, muscular e serosa. Tem início com maior frequência na segunda e terceira décadas de vida, mas pode afetar qualquer faixa etária.

• Doença de Graves

É uma doença autoimune que leva a um hipertireoidismo.

Os sinais e sintomas do hipertireoidismo podem incluir irritabilidade, fraqueza muscular, problemas de sono, ritmo cardíaco acelerado, pouca tolerância ao calor, diarreia e perda de peso.

• Doença de Reiter
• Doenças Autoimunes do Sistema Nervoso
• Esclerose Múltipla

É uma doença desmielinizante, ou seja, há uma destruição da bainha de mielina que envolve os axônios cerebrais e medulares.

As células cerebrais e medulares não se comunicam como deveriam

Afeta adultos jovens, preferentemente mulheres.

Os sintomas iniciais são variados, desde uma dormência no rosto até a dormência e falta de força em um dos membros inferiores ou superiores.

• Espondilite Anquilosante

A Espondilite Anquilosante é uma inflamação sistêmica crônica que acomete, principalmente, as articulações da coluna vertebral e, aos poucos, leva à fusão das vértebras e perda da mobilidade. A imagem clássica da radiografia da coluna é chamada coluna em bambú, pela semelhança.

• Febre Familiar do Mediterrâneo
• Glomerulonefrite Membranosa
• Glomerulonefrite por IGA
• Hepatite Autoimune
• Lúpus

O lúpus é uma doença crônica autoimune, caracterizada por inflamações na pele, articulações, olhos, rins, cérebro, coração e pulmões. Não tem causa conhecida e é mais comum em mulheres jovens e em pessoas negras e mestiças.

Um sinal característico é a vermelhidão no rosto em forma de asa de borboleta.

• Lúpus Eritematoso Sistêmico
• Miastenia Gravis

É uma doença de origem autoimune provocada por um defeito na transmissão dos impulsos elétricos nervosos para os músculos.

Na sua forma mais comum provoca graus variáveis de cansaço e fraqueza muscular, que atingem preferencialmente os músculos de contração voluntária, tais como os dos braços, pernas, face, olhos e os músculos torácicos responsáveis pela respiração 15% dos pacientes com miastenia têm um tumor do timo, chamado Timoma.

• Oftalmia Simpática
• Oftalmopatia de Graves
• Penfigóide Bolhoso Poliendocrinopatias
• Psoríase

Doença cutânea com um componente hereditário, caracterizada pela erupção de placas eritematosas cobertas de escamas esbranquiçadas, mais frequente nos membros, principalmente nas articulações dos joelhos e cotovelos, no couro cabeludo e as vezes afeta mãos e pés.

• Púrpura Autoimune (Púrpura Trombocitopênica)

É uma doença autoimune na qual o sistema imunológico ataca as plaquetas que são responsáveis pela coagulação do sangue.

Na maioria das vezes o sinal inicial é o surgimento de petéquias que são manchas cor violeta que surgem espalhadas pelo corpo como se fossem equimoses.

• Retocolite Ulcerativa

A retocolite ulcerativa inespecífica é uma das afecções inflamatórias que afetam o intestino. Sua etiologia não é conhecida, porém sabe-se que fatores genéticos e autoimunes estão ligados ao seu surgimento.

A retocolite ulcerativa pode exibir manifestações extra-intestinais como dores nas articulações, eritema nodoso e, com menos frequência, alterações oculares e hepáticas.

• Sarcoidose

A sarcoidose é uma doença caracterizada pelo surgimento de granulomas inflamatórios não infecciosos em diversos órgãos, como pulmão, pele, gânglios, entre outros.

• Síndrome Antifosfolipídica
• Síndrome de Behçet

Caracteriza-se por úlceras orais e/ou genitais recorrentes, inflamação dos olhos (uveíte) e lesões cutâneas. Também pode afetar as articulações, todo o tipo de vasos, pulmões, sistema nervoso central e trato digestivo.
É também conhecida como a Síndrome de Rota da Seda pela frequência na região.

• Síndrome de Churg-Strauss
• Síndrome de Goodpasture
• Síndrome de Reiter

A Síndrome de Reiter, também conhecida como artrite reativa, é uma doença que causa inflamação das articulações e tendões, principalmente nos joelhos, tornozelos e pés. Além disso, a síndrome de Reiter pode estar acompanhada de inflamação nos olhos, como conjuntivite ou inflamações na uretra, intestino ou membranas mucosas, como as da boca, trato urinário, vagina ou pênis.

• Síndrome de Sjögren

Caracteriza-se principalmente pela manifestação de secura ocular e na boca associadas à presença de auto-anticorpos ou sinais de inflamação glandular.

Os pacientes também podem apresentar secura na pele, nariz e vagina.

O diagnóstico é feito através de alterações laboratoriais, radiológicos e/ou anátomo-patológicos (biópsia das glândulas salivares menores feita no lábio) e/ou de medicina nuclear (cintilografia das glândulas parótidas).

• Síndrome Miastênica de Lambert-Eaton
• Tireoidite Autoimune
• Tireoidite de Hashimoto

Também conhecida por tireoidite linfocítica crônica, por ser a sua forma mais comum. É uma doença autoimune na qual o sistema imunológico disfuncional pode fabricar anticorpos para destruir as células da glândula tireoide ou então podem reduzir a sua atividade, levando ao hipotireoidismo por carência na produção dos hormônios T3 e T4.

• Trombocitopenia Idiopática
• Vitiligo

É uma doença na qual ocorre a perda da pigmentação natural da pele.

Essa despigmentação ocorre geralmente em forma de manchas brancas de diversos tamanhos e com destruição local ou difusa. Pode ocorrer em qualquer segmento da pele, inclusive na retina (olhos). Os locais mais comuns são a face, mãos e genitais.

O QUE HÁ DE NOVO?